<$BlogRSDURL$>
Doidimais Corporation
Pesquisa personalizada
sábado, junho 26, 2004
 
OS CRÉDITOS FINAIS
Ao som de The Lively Ones - Surf Rider¹

Tem umas músicas que são, literalmente, músicas de final de filme. Eu às vezes ouço no rádio do carro, no banheiro de um shopping ou num restaurante aquelas canções obscuras que tocam pouquíssimas vezes por ano, e logo me vêm a mente uma tela preta com as letrinhas rolando de baixo para cima. Essas músicas são um sempre um pouco alegrinhas, mas não agitadas demais, e soam invariavelmente como se fossem do anos 80, mesmo quando não são.

Adoro músicas de final de filme. Se pudesse, até citaria os nomes de algumas delas.

***

Sou o editor do jornal de minha turma de faculdade, o INTERNAÇÕES RELACIONAIS (www.relint2004.blogspot.com). Ultimamente vêm aparecendo uns comentários anônimos com umas críticas tão infundadas...chegaria a ser deprimente, se eu me importasse com isso.

***

Eis a melhor e mais barata maneira de sair com seus amigos: não ligue pra ninguém, não fale com ninguém. Já às 22:00, ligue pra um deles, pergunte onde está e vá para lá. Assim você economiza tempo e dinheiro com aquela telefonaiada toda que acontece entre as 18:00 e as 21:00.

***

Se o Brasil é ao mesmo tempo um dos países com maior desigualdade social no mundo² e também um dos países com a maior carga tributária do mundo, como pode um esquerdista afirmar que os ricos devem ser pesadamente tributados para que haja "justiça social"?

No Brasil existe desigualdade POR CAUSA dos altos impostos. Fato este nunca anunciado pela raça jornalista.

¹ Faixa de Pulp Fiction. Filme que, aliás, assisti ontem pela primeira vez. Palmas para mim!
² Note que "no mundo" é daquelas coisas que deveriam ser extirpadas, visto que o Brasil só pode estar "no mundo".
 

Peixes:
quarta-feira, junho 23, 2004
 
EXAGERADO...

Muitos textos não vão direto ao assunto. Eles hesitam. Dão uma engambelada antes de partir para as idéias. Um preâmbulo. Uma introdução antes da introdução, um prefácio antes do prefácio. A enrolação primordial.

São aqueles textos que terminam seus primeiros parágrafos com "senão, vejamos". Ou ainda, "sem mais, blábláblá." Sendo que o blábláblá pode ser vamos ao assunto, lancemos-nos ao objetivo desta, ou explico-me.

A enrolação, ao contrário do que acredita o senso comum, não é uma coisa ruim (na verdade, uma de minhas atividades favoritas é denunciar as terríveis falácias do senso comum - não aquelas monstruosidades óbvias - mas aquelas que passam despercebidas, que usamos em nossas conversas do dia-a-dia, e que, de repente, a inspiração me faz perceber o quão são perigosas).

A enrolação, é muitas vezes, a força motriz do pensamento. A faísca do encadeamento de idéias que virá a seguir. Com efeito, a enrolação é muitas vezes a mera reapresentação do que o autor estava pensando no momento em que teve a idéia. Se muitas vezes as idéias nos atingem de supetão, no meio de uma atividade que pouco nos exige do pensamento e portanto pouco ou nada tem a ver com o que estávamos fazendo¹, muitas vezes ela nos vêm quando estamos refletindo sobre algo, e a idéia, linda, nova, fresquinha, nos aparece como corolário daquele pensamento, como os frutos emergem naturalmente das flores. E é natural que esse pensamento que deu origem à idéia seja apresentado em um texto - sob a forma de enrolação no primeiro parágrafo.

Não pode haver jamais um "processo criativo", nem uma idéia que surge forçada. As idéias vem naturalmente. Que há idéias que surgem sob pressão, é inegável - mas essa pressão é necessariamente externa. Ninguém pode se forçar a ter uma idéia. Ou melhor, pode, mas não vai ter. Idéias não podem ser construídas. Elas são, necessariamente, impulsos.

É claro que há meios de favorecer o surgimento de impulsos novos. Expor-se a cultura é um deles. Ler, ver filmes, conversar, conhecer pessoas novas, debater.( Tenho uma analogia terrível para isto, a qual deixarei para o pé de página para não poluir o texto com mais um cedeísmo²). Mas também é preciso escrever. O feedback que tenho recebido no DOIDIMAIS CORPORATION vêm fortalecendo a tese de que quanto mais se escreve, mais idéias se têm. A visualização das idéias, em papel ou na tela, exige uma organização do que está na cabeça e induz a um encadeamento de umas coisas nas outras. Mas este processo não é como construir partes de um prédio na cabeça e depois encaixá-las nos lugares certos. É mais como o lento tecimento de uma teia, na qual vamos descobrindo que o toque num ponto faz um outro, muito distante, tremer.

O processo é lento, sempre incompleto, e cheio de falhas. Mas é uma das coisas mais emocionantes que se pode experimentar.

***

Fui hoje ao cinema com alguns bons amigos assistir a Cazuza - O Tempo Não Pára. É divertido. Na última vez em que fui assistir a um filme brasileiro na sala 6 do Bê Agá, foi numa ocasião bem diferente. Mas estes tempos se foram agora; e queira o Destino que no futuro não deixem mais a saudade que hoje impôem.

***

Gente, não tem mulher mais bonita do que a vocalista do Black Eyed Peas. O quê que é aquilo!

***

E se alguém me chamar de Artur Xexéo, eu cuspo.

¹Um bom exemplo disto está em meu texto "A Solução", disponível neste site. Tive a idéia enquanto lia Harry Potter e a Ordem da Fênix.

²Basicamente: a mente é como um liqüidificador. Podemos colocar todos nós os mesmos ingredientes, já que estão no supermercado o leite, as frutas, et cetera. Mas cada um tem um liqüidificador diferente.
 

Peixes:
sábado, junho 19, 2004
 
BOLETIM

Tenho agora as notas de meu primeiro boletim universitário...

FILOSOFIA I 97
HISTÓRIA DAS R.I.92
INTRODUÇÃO À ECONOMIA 77
INTRODUÇÃO ÀS R.I. 95
PLANO DE INVESTIGAÇÃO I 96
POLÍTICA I 67
SOCIOLOGIA I 80

TOTAL 604 / 700 (86,28%)
DE 0 A 5 4,31

É, acho que não está nada mal...

***

Hoje acordei cedo para um aquecimento para o AMUN, a simulação universitária da ONU realizada em Brasíla. Representei o Zimbábue, país que amo de coração. Recebi sorrisos e elogios dos demais delegados (apesar de, claro, os prêmios terem ido não para mim, mas para os delegados da Espanha e da França, aliás muito bem merecidos, eu como diretor faria o mesmo), mas o que importa é que gostei do modo como o estudo de Internações Relacionais melhorou - e muito! - minha atuação. Até agosto do ano passado, eu pensava que o Zimbábue era de direita (!)¹. Mas agora, utilizando argumentos da teoria dependentista², pude exercer um de meus esportes favoritos: falar mal da Inglaterra. O diretor do comitê gostou especialmente de minha frase de abertura - a qual penso em cingir merecida trademark - que utilizei em todos os discursos:

Representants of the world...

Com entonações variadas - seja falando alto e chamando todos ao apelo ou falando baixo e tentando um tom de cumplicidade amigável, seja falando lentamente com sotaque muito forçado ou num tom o mais normal e natural possível - a frase pode soar como boas-vindas, ter efeito cômico, ou meramente chamar a atenção. Eu não percebi que gostava tanto dela até me chamarem a atenção para o fato. Tampouco sabia que somente eu a uso - ninguém já teve (ou pelo menos usou) uma idéia tão simples, unir palavras que parecem tão obviamente ligadas.

Um bordão que inventei hoje, e também usei em todos os discursos(mas serve só para países reclamões), foi "former colonial superpowers". No momento mais alto do dia, eu disse "let us all do the world a favor and vote against the United Kingdom". Infelizmente, a delegada do Reino Unido absteve-se da resolução. Mas os EUA votaram a favor, o que me deu satisfação para votar contra. Como sabem, as resoluções da ONU são votadas em ordem alfabética, e o bom de ser o Zimbábue é que você sempre é o último a votar. Assim, você pode sempre ver o que todo mundo votou... e fazer o contrário.

A propósito, a resolução não passou. Ações preventivas não serão reconhecidas pela ONU como legítimas. Por dois votos.

***

Mas basta de Internações Relacionais. Por ora. Liguem no AXN nos dias de semana às 16:00. É uma horinha saudável que consegue conter meu ócio. Durante sessenta minutos, é claro. Passa um desenho animado feito em computação gráfica, muito bem-feitinho até, cuja história se desenvolve num mundo de fantasia medieval. Alguns personagens e eventos lembram o caríssimo Caverna do Dragão. Que aliás está passando de manhã. Por ora.

¹ Na bandeira do Zimbábue têm uma baita duma estrela vermelha.

² Conteúdo de Internações Relacionais à primeira vista, na verdade nem é isso. É apenas aquela doutrinação esquerdista a qual você está acostumado - mate a saudade no colégio mais perto de você.
 

Peixes:
sexta-feira, junho 18, 2004
 
HAKUNA MATATA...
Ao som de Jeremy Irons - Be Prepared¹

Deu-me vontade de sair ontem e, encontrando desanimadas ou ausentes as pessoas para as quais telefonei (todas as três), decidi conhecer sozinho o Pátio Savassi, o qual ainda não havia visitado. O lugar é legal, e bem maior do que eu imaginava. A Leitura de lá não têm obsessão em plastificar os livros. Somado ao fato de que fica muito mais perto da minha casa que a do BH Shopping, 2 a 0 para ela.

Sendo noite de quinta-feira, natural que jovens alunos maristas andassem pela Savassi². Eis que, subindo uma rua, ouço alguém dizer: "Cedê!". Meu olhar busca a fonte da voz, e eis que me deparo com duas garotas, uma das quais continua: "Dê, A, Cê, Dê, Dê, Bê...".

I know that your powers of retention
Are as wet as a warthog´s backside...
But thick as you are, pay attention
My words are a matter of pride
It´s clear from your vacant expressions
The lights are not all on upstairs...
But we´re talking kings and successions
Even you can´t be caught unawares!


Pergunte a qualquer um: qual o partido que melhor simboliza a Direita neste país? E qualquer um lhe responderá: PFL. Uma verdade incontestável. A menos que se considere o PRONA. Mas o PRONA não têm influência nenhuma. Possui meras seis cadeiras na Câmara, e quase nunca é mencionado nos noticiários. Enéas sumiu completamente uma vez eleito, assim como Hussein está bem menos no foco agora do que antes - quando ninguém sabia onde estava.

Agora, pergunte a qualquer pessoa razoável o que um direitista pensa do salário mínimo. Ora, os direitistas - liberais e capitalistas que só eles - são a favor da EXTINÇÃO do salário mínimo. Acreditam no livre acordo entre patrão e empregador, e na mínima intervenção do Estado na economia.

Entretanto... entretanto, o PFL está lançando esforços para o AUMENTO do salário mínimo. Ora, qualquer pessoa razoável veria nisso uma contradição. Se o PFL é de direita, deveria trabalhar para eliminar ou ao menos reduzir o salário mínimo. Trabalhar na direção contrária é um descaso com a ideologia que lhe é atribuída - quem é de direita tem de agir como um capitalista!

E ainda tem gente que diz - a plenos pulmões - que não apenas existem direitistas neste país, como estão no poder, são muitos, e praticamente invencíveis...

So prepare for a chance of a lifetime
Be prepared for sensational news
A shiny new era
Is tiptoeing nearer
- And where do we feature?
- Just listen to teacher...
I know it sounds sordid
But you´ll be rewarded
When at last I´m given my dues!
And injustice deliciously squared
- Be prepared!
It´s great that we´ll soon be connected
With a king who´ll be all-time adored
- Of course,
quid pro quo, you´re expected
To take certain duties on board
The future is littered with prizes
And tough I´m the main adressee
Point that I must emphasize is
You won´t get a sniff without me!


Em 2051, terei 65 anos e poderei andar de ônibus de graça em Belo Horizonte. Isso, claro, se até lá ainda existir eu, ainda existir ônibus, ainda existir algo de graça, e ainda existir Belo Horizonte...

Do jeito que as coisas vão, tenho dúvidas³. Com relação a esta cidade, acho melhor fazer como uma colegial libidinosa e aproveitar enquanto dá...

So prepare for the coup of the century
Be prepared for the murkiest scam (lah-lah-lah!)
Meticulous planning (we´ll have food!)
Tenacity spanning (lots of food!)
Decades of denial (we repeat!)
Is simply why I´ll (endless meat!)
Be king undisputed (aaaaah!)
Respected, saluted (aaaaah!)
And seen for the wonder I am (aaah!)
Yes, my teeth and ambitions are bared
Be prepared!
- Yes, our teeth and ambitions are bared
Be prepared!


¹Pra quem cresceu assistindo a Pinky e Cérebro, a mais empolgante faixa da trilha sonora do filme O Rei Leão.Vozes de Jeremy Irons e Whoopi Goldberg, com música de Elton John. Letra de Tim Rice.

²Para os alunos dos 1º e 2º anos do Ensino Médio do Colégio Marista Dom Silvério, as provas são aplicadas em noites de quinta-feira. Nas quintas de lua cheia, sempre desaparecia uma aluna do Colégio, porque era dia dos Irmãos Maristas tentarem um ritual macabro que envolvia o sacrifício de uma virgem. Obviamente, são uns tolos. O ritual nunca deu certo, porque nunca acharam uma virgem entre as alunas do Ensino Médio do Dom Silvério...

³Apenas um anti-socialista se preocuparia em dizer "tenho dúvidas" em vez do lugar-comum "tenho minhas dúvidas". Ora, se as tenho, é claro que são minhas. Não posso ter as dúvidas dos outros!
 

Peixes:
segunda-feira, junho 14, 2004
 
VRUUUM!!

Hoje durante minha aula de auto-escola atingi pela primeira vez os 60 Km/h*. Foi ali no Sion, subindo uma rua que vai descer na Praça Alasca. A velocidade é perfeitamente normal quando você está meramente andando de carro, mas - como notou meu amigo Guilherme Araújo - quando é você que está dirigindo, tudo parece muito mais rápido. Voltando a um texto anterior, eu AGORA sei pra que serve a embreagem - apenas poderia ter mais alguns pontos de Perícia em seu uso. Mas, em caso de extrema emergência, já confio que posso ligar um carro e levá-lo ao local necessário. Só não garanto que eu não vá bater em algum carro durante uma curva, ou que eu saiba estacioná-lo em algum local não muito maior que o próprio veículo.

***

Uma coisa que descobri sobre esta forma de postar ( duas, três ou quatro idéias por vez, tudo num só post, portanto com um único espaço para comentários) é que ela me dá uma forma segura e confiável de saber qual dos assuntos é mais popular - será o abordado mais freqüentemente nos comentários. Se eu colocasse um texto em cada post, isto não aconteceria, porque não necessariamente quem comenta um leu todos. Mas, com o sistema que uso, todo mundo lê todos os textos de um mesmo post, e comenta só o que lhes inspira mais. Eis a seleção natural dos geradores de feedback.

***

O Amor é caro.

Faça pesquisa de preços.


* Já no F-Zero X, atingi os 2.000 km/h, mais do que a velocidade do som. E em menos de um segundo - como o personagem muda de marcha tão rápido?
 

Peixes:
domingo, junho 13, 2004
 
MOVING ON, MOVING ON*

Deveria ter contado antes. Na sexta-feira, como em todas as vésperas de férias, a primeira coisa que fiz ao chegar em casa foi abrir a janela do meu quarto e berrar:

FÉÉÉÉRIAS!

É uma de minhas tradições favoritas. Falando em tradições, imagino se não é uma tradição moderna a senha do cartão de crédito em uma família. Imagino que os filhos, por costume, usem a mesma senha de cartão de crédito de seus pais. Assim, a sociedade capitalista de informação e consumo pós-moderna contemporânea** criou uma tradição para si que bem, é a sua cara.

***

Povos do mundo! É revoltante a existência do crime mais atroz da Humanidade: o desperdício. Desperdiça-se de tudo. Patê de presunto, chocolates, pães, gelatina, sorvete, papel, canetas, lápis (mísera! nossos queridos lápis!), tinta, enfim, o que convir ao descaso dos donos.

É por isso que eu os conclamo (pausa dramática) a vencer este grande mal. Unamo-nos! Tornemos-nos todos os paladinos dessa vitória triunfal que se anuncia contra o desperdício!

Toque no interfone da casa de seu amigo quando ele não estiver esperando, e assalte a geladeira dele! Vá a seu quarto e tome algumas canetas! Em dia de folga, vá a sua empresa e pegue alguns blocos de anotações! Entre em padarias e discretamente engula alguns dos petiscos menos populares! Vista um casaco de pescador e vá a uma farmácia, colocando dezenas de itens pequenos em seus muitos bolsos! Auto-convide-se para festas! Eia, pelo bem da Humanidade, eia!

Folgados de todo o mundo, uni-vos!

***

A Segunda Guerra Mundial esteve em minha cabeça recentemente, como deve acontecer com todo bom aluno de Internações Relacionais***. Nada mais natural, portanto, do que eu compôr uma marcha militar satírica enquanto tomava banho. Aliás, já compûs muitas músicas totalmente inéditas durante o banho. Várias, perdidas para todo o sempre - outras tantas, muito ruins. Aqui vai esta, que é uma das melhorzinhas que tá tendo. Tentem imaginar, leitores, um único oficial berrando as linhas ímpares, ao passo de que todo o batalhão cuida dos versos pares.

Se o General vier berrando
Vou matar um italiano
Se o General disser que não
Vou matar um alemão
Se o General berrar outra vez
Lá se vai um japonês


Tem também a versão do Eixo:

Se o General coçar o sovaco
Vou matar um eslovaco
Se o General ficar caquético
Vou matar um soviético
Mas se o General ficar doidão
Vou matar um suíço!


***

Minha superação do que aconteceu recentemente é fechada com chave de ouro por - quem mais - Olavo Bilac. Por coincidência, comprei hoje um livro dele, e folheando, achei isto na página 116:

DESTERRO
- Olavo Bilac

"Já me não amas? Basta! Irei, triste, e exilado
Do meu primeiro amor para outro amor, sozinho...
Adeus, carne cheirosa! Adeus, primeiro ninho
Do meu delírio! Adeus, belo corpo adorado!

Em ti, como num vale, adormeci deitado,
No meu sonho de amor, em meio do caminho...
Beijo-te inda uma vez, num último carinho,
Como quem vai sair da pátria desterrado...

Adeus, corpo gentil, pátria do meu desejo!
Berço em que se emplumou meu primeiro idílio,
Terra em que floresceu o meu primeiro beijo!

Adeus! Esse outro amor há de amargar-me tanto
Como o pão que se come entre estranhos, no exílio,
Amassado com fel e embebido de pranto...
"

* Refrão de uma música eletrônica cujo título desconheço.
** Bordões esquerdistas.
*** Como todo bom leitor sabe, em momento nenhum esta afirmativa ME qualifica como bom aluno.
 

Peixes:
sábado, junho 12, 2004
 
FELIZ DIA DOS NAMORADOS, TURMA!

Hoje é Dia dos Namorados, e estou agora tão solteiro quanto há duas semanas. O curso dos eventos sofreu uma reviravolta em poucas horas, esmagando novamente a única esfera da minha vida que se recusa a dar certo.

A vida, meus caros amigos, é uma imensa piada. Não, como querem os depressivos, uma piada de mau gosto - mas uma imensa,
elaboradíssima e intrincadíssima piada com todos os tipos de humor existentes, da fina ironia ao pastelão estilo Rede Globo, do grosso sarcasmo ao humor infantil das palavras engraçadas, das bizarras e reais situações a la Seinfeld às tragicomédias shakesperianas. Todos esses tipos estão dispostos em camadas ora sobrepostas ora independentes, nas mais variadas combinações. Diante de tudo isto, tudo o que temos a fazer é rir. E, se algum fiapo de consciência nos impedir de fazer isso, lancemos um esforço para ao menos esboçar um sorriso. Um sorrisinho.

Em pouco tempo, esse sorriso vai se transformar num risinho. E em outro. E em outro. Até que estejamos todos soltando uma sonora gargalhada.

"Minha vida amorosa é tão frutífera quanto o Sahara!"

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!
 

Peixes:
quinta-feira, junho 10, 2004
 
NOVIDADES VISUAIS

Inagura-se hoje o uso de imagens no DOIDIMAIS CORPORATION. Decidi começar com esta aqui. Com o tempo, quem sabe consigo colocar imagens até mesmo nos posts antigos.

 

Peixes:
 
DIVAGAÇÕES
( Ao som de Emílio Santiago - Amigo é Pra Essas Coisas )

Não sei se é pelas aulas de direção ou se pelo cotidiano mais apressado de provas para todos os lados - mas o fato é que ando perdendo um monte de idéias para textos aqui e lá. O que é uma boa notícia, de certa maneira*, pois significa que estou tendo muitas idéias in the first place. Continuo tão inspirado quanto no ano passado (ou mais). O certo é que se eu quiser manter tudo na minha cabeça, terei de andar com o celular comigo o tempo todo - bem como ter enorme força de vontade para vencer a preguiça de me levantar da cama logo após deitar, e rabiscar a idéia recém-nascida num bloquinho de rascunhos. Minha mente é ótima para produzir conclusões brilhantes (para mim, claro) ou piadinhas deliciosas (para mim, óbvio) logo após eu ter me achado confortável na cama. Adoro ela.

- Salve !
- Como é que vai?
- ´Amigo a quanto tempo...
- Um ano ou mais...
- Posso sentar um pouco?
- Faça o favor!
- A vida é um dilema...
- Nem sempre vale a pena...
- Ah...
- O qué que há?
- Rosa acabou comigo...
- Meu Deus, porquê?
- Nem Deus sabe o motivo...
- Deus é bom!
- Mas não foi bom pra mim...
- Todo amor um dia chega ao fim!


Nos próximos dois meses, eu vou passar de semestre, viajar para Brasília com amigos, matricular-me na UFMG, e, queira o Destino, ter motivos para que a música que embala este texto não tenha nada a ver comigo. Estou me sentindo como o delegado do Zimbábue que, logo após contar com os votos dos dez membros não-permanentes do Conselho de Segurança**, assiste, um a um, os cinco membros permanentes dizerem uma das mais belas palavras da língua portuguesa***:

- Abstém! Abstém!

- Triste!
- É sempre assim...
- Eu desejava um trago...
- Garçom, mais dois
- Não sei quando eu lhe pago...
- Se vê depois...
- Estou desempregado
- Você está mais velho!
- É!
- Vida ruim...
- Você está bem disposto
- Também sofri
- Mas não se vê no rosto
- Pode ser...
- Você foi mais feliz...
- Dei mais sorte com a Beatriz!


Com todo o lobby pró-desarmamento existente, com o qual contamos com nossa caríssima Rede Globo - cujos serviços para o bem-estar político da população são inestimáveis - urge (ou, à maneira do Teixeira, faz-se mister) uma campanha anti-desarmamento - para incitar o debate e esclarecer a população sobre os imensos perigos do plano contra as armas, liderado pelo nobilíssimo paladino dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda. E, como nos ensinou o velho Tio Nicolas (que completou 535 anos há pouco tempo), o fim nobre merece os meios mais apelativos e eficientes que se possa achar.

Assim sendo, sugiro uma linguagem para as futuras cenas televisivas desta campanha, que, claro, já existiria há muito tempo se houvesse realmente uma Direita neste país. A atual "oposição com responsabilidade" está mais para Arena do que MDB, e olha que mesmo se parecesse o MDB já não seria assim uma Brastemp de oposição. De quebra, além disto ofereço um slogan também. Sou ótimo com slogans, como comprova a parte superior direita deste blog. Leiam lá.

As cenas da campanha anti-desarmamento deveriam ser o mais semelhantes às das progandas de margarina e da Sadia possível, não hesitando em apelar para fundos musicais emotivos e cenas de velhinhos e crianças, bem como casais jovens com a garota exibindo o barrigão de grávida - com efeito, não há medo em copiar descaradamente o tal filme do "filtro solar". A voz de Pedro Bial está, claro, descartada - exceto pela Esquerda, que a usará numa paródia do filme. Nada como uma mulher segurando um bebê junto ao peito, e um trezoitão fumegante na outra mão, o corpo de um criminoso bêbado armado com uma faca no chão de uma casa impecavelmente arrumada.

O slogan?

QUEM AMA, ARMA.

- Pois é...
Vivo bem...
Pra frente é que se anda
Você se lembra dela?
- Não...
- Lhe apresentei...
- Minha memória é fogo...
- E o l'argent?
- Defendo algum no jogo...
- E amanhã?
- Que bom se eu morresse!
- Pra quê rapaz?
- Talvez Rosa sofresse...
- Vá atrás!
- Na morte a gente esquece
- Mas no amor a gente fica em paz!


Ao contrário da crença popular, as mulheres, meus caros, são infinitamente melhores que nós no que diz respeito a aliar-se umas com as outras. Isto fica muito claro na imensa campanha que existe para o Câncer de Mama: propagandas televisivas com atores famosos, camisetas, um equipamento conhecido como Mama Amiga (uma espécie de seio de borracha para ajudar as mulheres a aprenderem a apalpar seus próprios), etc. Imaginem isto acontecendo com nós...

Camisetas com os dizeres "O Câncer de Próstata no Alvo da Moda". Artistas nos ensinando a fazer o auto-exame. E reiterando que tem que ser uma vez por mês. E como se não bastasse, nem quero conhecer o equivalente prostático da Mama Amiga...

- Adeus...
- Tomá mais um...
- Já amolei bastante...
- De jeito algum...
- Muito obrigado, amigo
- Não tem de quê
- Por você ter me ouvido
- Amigo é pra essas coisas...
- É...
- Toma um Cabral
- Sua amizade basta
- Pode faltar!
- O apreço não tem preço...
Eu vivo ao Deus-dará!
- O apreço não tem preço...
Eu vivo ao Deus-dará!
- O apreço não tem preço...
- Eu vivo ao Deus-dará!


* E não "em grande medida".
** Esta cena nunca aconteceu. Que eu saiba, a gloriosa República do Zimbábue nunca esteve no Conselho de Segurança.
*** Estou consciente de que, neste caso, a frase seria dita em quatro idiomas diferentes, nenhum dos quais o português.
 

Peixes:
sábado, junho 05, 2004
 
RONALDO REAGAN, VIOLÊNCIA, DADOS

É, todos já sabem, morreu Ronaldo Reagan. Para mim, antes de ser um famoso republicano ou um controverso presidente dos EUA, Reagan é simplesmente o autor desta citação:

"How do you tell a Communist? Well, it's someone who reads Marx and Lenin. And how do you tell an anti-Communist? It's someone who understands Marx and Lenin."

E esta citação sozinha vale uma vida. Descanse em paz, Reagan.

***

As espadas japonesas são curvas.

A frase Ordem e Progresso na nossa bandeira também. Na verdade, as curvaturas das duas são semelhantes.

Que tal esta cena para um filme: um cara saca uma bainha, coloca-a na frente do rosto, e puxa dela uma katana com o lema nacional escrito na lâmina.

Serviria no mínimo para dar uma esquentada no horário político.

***

Cena. Analista de sistemas sentado numa mesa, atulhada de pastas e papéis. O analista é daquelas figuras vermelhas, vestidas com camisa social, a gravata jogada para trás, usando-a para tirar o suor da testa, canetas no bolso da camisa, dependurado sobre uma calculadora que vomita papel furiosamente. Aqui e ali passa um monte de gente apressada. Barulho de impressoras, de café sendo colocado em copos de plástico, de gente conversando, de passos, de carros buzinando lá fora. Alguém vem falar com o analista, com uma sacolinha de pano na mão.

"E então, analista?"

"Precisamos de MAIS DADOS!", ele responde, muito nervoso.

"PLÓ-LÓ-LÓ!" - o barulho de vários dados coloridos sendo jogados sobre a mesa.
 

Peixes:
 
Ao som de Os Cariocas- Anjinho Bossa Nova

Sim, até há bem pouco tempo eu estava muito, muito puto.

Após um mês de muito suor e esforço, matando aulas, acordando cedo, reunindo após a aula ou mesmo em fins de semana, meu grupo de trabalho de Internações Relacionais conseguiu completar o trabalho final do semestre. Ficou ótimo. É um trabalho muito bom. Sério.

Anjo que subiu ao céu
De um terceiro andar
Ao invés da lira trouxe um violão


Um dos alunos do grupo seria sorteado para apresentar. E foi. Justamente o cara que menos sabia do trabalho. A apresentação foi um fiasco. Mesmo com slides de Power Point de todo o tamanho ao lado, ele trouxe papéis para ficar lendo (ou seja, é o mesmo que berrar para todo mundo: "EI! GENTE! EU NÃO LI O TRABALHO DO MEU GRUPO!"). Cometeu vários erros. Metade do tempo de perguntas dos professores foi gasto corrigindo um desse erros.

Se as asinhas fazem falta
Toma um drinque e fica alta
Voa para mim, cai nos meus braços
que tantos abraços


Me senti realmente mal. E ainda estou, embora menos. Felizmente, certas coisas passam. Algumas coisas contribuíram para a recuperação.

A auréola tem no olhar
No jeitinho de falar
Sabe me encantar em qualquer tom


A primeira: música. Quando eu ouço um pouco de música eletrônica e MPB, e percebo o efeito que isto tem, me pergunto porque raios tem gente que usa drogas.

Meu anjinho bossa nova
traz no rostinho rosado
Toda a bossa velha do pecado
Anjinho bossa nova...


A segunda: ter assistido a Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Para quem leu o livro, é uma ótima viagem. Embora seja, de fato, não muito bem amarrado, e um tanto apressado demais. Mas a cena do vôo no hipogrifo é como as cenas de vôo nos livros de Rowling: passa aquela sensação de estar voando.

Meu anjinho bossa nova
Traz no rostinho rosado
Toda a bossa velha do pecado


É difícil passar esta sensação. Uma das poucas pessoas que consegue fazer isso é Shigeru Myiamoto, em seu Super Mario 64.

A auréola tem no olhar
No jeitinho de falar
Sabe me encantar em qualquer tom


A terceira coisa foi o tempo. Com o tempo, os nervos se acalmam, a racionalidade aflora e a gente percebe que reclamar mesmo só depois da nota sair - ou nem isso.

Meu anjinho bossa nova
Traz no rostinho rosado
Toda a bossa velha do pecado
(Anjinho Bossa Nova...)


E a quarta coisa, bem... está evidente na música que embala este texto, não?

Meu anjinho bossa nova
Traz no rostinho rosado
Toda a bossa velha do pecado
Anjinho Bossa Novaaa-a-a-a-aaaa...


Prometo entregar em breve um texto mais universal para os leitores. Mas começar o mês de junho com um destes não me soa terrivelmente inadequado. Assim como o verso do violão encaixa-se perfeitamente bem nesta situação.

Não entendeste, leitor? E desde quando a vida precisa fazer sentido?
 

Peixes:
A corporação mais lucrativa, subversiva e informativa do planeta. Doidimais Corporation- expandindo pelo mundo para que você expanda o seu. Doidimais Corporation- ajudando você a ver o mundo com outros olhos: os seus. Doidimais Corporation- a corporation doidimais. doidimaiscorporation[arrouba]gmail[ponto]com

ARQUIVOS
Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Setembro 2004 / Outubro 2004 / Novembro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Julho 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Março 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Dezembro 2007 / Março 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Agosto 2008 / Março 2009 /


Powered by Blogger