<$BlogRSDURL$>
Doidimais Corporation
Pesquisa personalizada
sábado, julho 16, 2005
 

BRB (´GONE BSB)

Senõr Diego M. Desmoures, Consejero, Cuarta Comisión (!SPECPOL!), pero also CSTD ad hoc, has left the city of Belo Horizonte con sú saco and suitcase, listo and in sus marcas (!fuera!) to the federal capital de la Republica. He left in a very good mood! His honourable Spanglish will mayhaps be useful, as well as his ingenuity, wits and modesty.

!Hasta AMUN! (www.amun.org.br)

Pero if usted non will go AMUN: hasta next semana. Me voy de vacación, nuyorricans.

For agora, los leave com miña tracklist!

Can you Feel It 2004
H2G2 - So Long, and Thanks for All the Fish
DJ Tiësto - Love Comes Again
Aladdin - Prince Ali
Seal - Fly Like An Eagle
Audioslave -Be Yourself
The Underdog Project - SUMMER JAM
The Underdog Project - VIBIN´
The Underdog Project - MIAMI
The Underdog Project - SATURDAY NIGHT
The Underdog Project - FOR THE LADIES
The Foo Fighters - Learn to Fly
Counting Crows - Accidentally in Love

As you can see, mesa in a very good mood :D
 

Peixes:
terça-feira, julho 12, 2005
 

UNEXPECTING THE EXPECTED

O maior impacto dos ataques (e não "atentados", não gosto desse palavra porque parece que foi "tentativa" quando na verdade o plano deu mais do que certo, infelizmente) terroristas de 7/7 não está no efeito psicológico sobre a civilização ocidental, nem na exposição de uma suposta fragilidade da segurança britânica, nem no avanço de uma suposta "causa" da Al-Qaeda (causa essa que, se alguém sabe qual é, favor explicar. Causas subliminares e interpretações, claro, não contam).

O maior impacto dos ataques está nas vidas mesmas dos sobreviventes, e dos parentes, amigos e colegas de trabalho das vítimas. O impacto mesmo está nas mortes, ferimentos e traumas daqueles que estavam nos metrôs e no ônibus, e das pessoas que os conhecem. A esfera que percebe a importância maior do ataque é a humana - pessoal e individual - antes da política ou qualquer outra.

Infelizmente, este impacto é o menos acolhido pela cobertura lidiática (sic) e o menos observado nas conversas de botequim. Dá-se preferência a especulações sobre qual será a próxima cidade a ser atacada, o destino dos autores dos ataques, a competência da Scotland Yard, os motivos e intenções dos terroristas, e outras considerações.

Não considero arriscado atribuir isto a gigantesca dessensibilização provocada pelos ataques de terça-feira¹. Após uma estratégia tão espetacular, que pôs abaixo cartões-postais e ceifou três mil vidas num otherwise uneventful setembro - construindo pelo mundo a imagem de que ele nunca mais seria o mesmo - a Humanidade não se choca com absolutamente mais nada. Os ataques a metrôs de Madri ou a escolas em Beslan, por mais comoventes e tristes que tenham sido, não conseguiram arrancar as mesmas emoções de terça-feira. O número de vítimas não é necessariamente o fator a ser considerado: o 26 de dezembro matou e destruiu infinitamente mais. Ainda que seja considerado que foi um ato natural (exceto para os que tecem conspirações de que Bush foi responsável), e que uma imensa campanha de solidariedade - exemplificada pelos esforços da ONU - tenha sido edificada, a comoção e manifestação em torno não alcançou o volume da ensurdecedora terça-feira.

Ricardo Amorim, um dos membros do Manhattan Connection, disse mais de uma vez que previa o "próximo grande ataque terrorista" para Londres. Os londrinos têm cinqüenta e dois mortos. Ele tem agora a satisfação de quem acerta.

***

Amigos guardam segredos?

É demagogia dizer que não?

Suponhamos três amigos: A, B, e C. Eles são todos amigos entre si (temos as dyads A-B, B-C e A-C). Suponhamos que A gostaria muito de contar algo para B, mas por alguma razão não quer que C saiba. Digamos não algo ingênuo como uma festa-surpresa - algo que B concordaria em esconder de C para o benefício deste mesmo - mas algo mais grave. Suponhamos que A e B sejam XY, C seja XX, e A esteja apaixonado por C.

Embora A adoraria contar para B a respeito de sua paixão, não o faz: sendo um ator racional, antecipa a estratégia que B adotaria logo depois: contar para C tudinho. Isto é especialmente verdade se 1) os laços de amizade entre B e C são mais fortes do que os entre A e C; 2) A está incerto sobre a qualidade dos laços entre si e B.

Seriados - seja cínicos como Sex and the City ou otimistas como Dawson´s Creek - nos confirmam a rede de mentiras e máscaras que é a vida, mesmo entre pessoas que gostam muito umas das outras.

Pensar sobre amizade, relacionamentos e coisas do tipo não é piegas, é fundamental. Seres humanos fazem amigos. Isto me lembra inclusive um episódio que narraram-me recentemente. Numa recente dinâmica dum processo de seleção de empregados para a Câmara Alemã, pessoas sem senso de prioridade - asked to colocar valores em ordem de importância - posicionaram "competência" antes de "amor".

Na vã tentativa de parecem preocupados com trabalho, revelaram-se uns completos infelizes.


¹ Para quem não sabe, minha forma de me referir ao que aconteceu nos EUA na segunda terça-feira do nono mês do segundo ano do terceiro milênio. Escrevendo desta forma, evito as palavras que são sempre repetidas, não contribuindo ainda mais para a dessensibilização.
 

Peixes:
domingo, julho 03, 2005
 

GARÇOM, O DE SEMPRE

Ao som de Paulinho Moska - Nos Braços de Isabel

Os analistas de conflitos Rubin, Pruitt e Kim - mencionados em post anterior - deveriam aprender algumas coisas com os brasileiros. Vieram-me a mente duas táticas que eles não cobrem satisfatoriamente¹ em toda sua especificidade: o jogar verde e o &% doce.

O jogar verde é algo pouco estudado, e na verdade não se sabe muito bem o que é. Duvida? Pergunte a alguém o que é jogar verde. A maioria das pessoas responde algo do tipo: "ah, jogar verde pra colher maduro, entende?" O nome completo da tática não explica nada, claro. Jogar verde significa colher informação de uma maneira que não revele sua ignorância. Isto é, fazer perguntas como se você soubesse do que está acontecendo na esperança de que as pessoas te revelem algo - porque, afinal de contas, você já sabe mesmo, já é do grupo privilegiado que detém a informação, não há mal em revelar uma opinião a respeito.

Jogar verde carrega um risco - o alvo pode amarrar informação e acabar fazendo perguntas para você. Fica, então, o embaraço de dar opinião sobre algo que você nem faz idéia do que seja.

É preciso conversar com mais pessoas antes para captar o verdadeiro significado do jogo verde. Eu ainda não consigo afirmar com certeza que sei do que se trata. Sou tão ingênuo, caros leitores, que só descobri a expressão aos 17 anos, já no final de meu Ensino Médio.

O que nos leva para a segunda tática tipicamente brasileira que deve ser estudada: o &* doce². Outra ação que descobri muito tardiamente, merece profundos, elaborados e incansáveis estudos acadêmicos. Não há poder mais subestimando que o poder do #@ doce. Se há uma deficiência no Ensino Brasileiro, é que os alunos saem despreparados para enfrentarem essa nefasta e difundidíssima tática. Ela é tão perigosa, influente e presente em nossas vidas que merece não um capítulo, mas um manual inteiro.

Nos braços de Isabel eu sou mais homem
Nos braços de Isabel eu sou um deus
Os braços de Isabel são meu conforto
Quando deixo o cais do porto
Pra viver os sonhos meus

Saborosa a seção de cartas dos leitores da VEJA desta semana (1.912). Um leitor de Floripa: "dizia-se que a esperança venceu o medo. Hoje, passados pouco mais de dois anos, constatamos que, infelizmente, a corrupção matou a esperança". Um outro de Maringá elocubra mais: "Pelos quatro cantos do Brasil, ecoa um grito forte, vindo do mais profundo de nossa alma. Inspirados no gesto de dom Pedro, ergamos não uma espada, mas nossas carteiras vazias e gritemos: basta!"

Esse negócio de "a esperança venceu o medo" sempre me pareceu tão legal. Lembra os discursos nos Estados Unidos que vemos nos filmes e desenhos animados.

Ontem Isabel me libertou da escravidão e da dor
Hoje Isabel é minha libertação no amor
Salve a Princesa Isabel que quebrou minhas algemas
Salve a Isabel que resolve os meus problemas

Descobri, em um dos meus acessos, que tem um verso numa certa música que diz "perdido no vazio de outros passos".

Você pode soletrar hipercarregado de significado?

Then again, talvez eu apenas viaje demais. Vejo trechos da minha vida em músicas: minha vida escolar está em Vai Passar, do Chico. E claro, todo mundo se identifica com My Way.

Nos braços de Isabel eu sou mais homem
Nos braços de Isabel eu sou um deus
Os braços de Isabel são meu conforto
Quando deixo o cais do porto
Pra viver os sonhos meus

Os braços de Isabel são meu conforto
Quando deixo o cais do porto
Pra viver os sonhos meus

¹ Isto merece um texto desenvolvido ainda, o fato de que nós paramos de pensar quando atingimos satisfação intelectual.

² A expressão foi censurada para permitir que os que navegam em browsers com aparatos de censura possam ler o DOIDIMAIS CORPORATION.
 

Peixes:
A corporação mais lucrativa, subversiva e informativa do planeta. Doidimais Corporation- expandindo pelo mundo para que você expanda o seu. Doidimais Corporation- ajudando você a ver o mundo com outros olhos: os seus. Doidimais Corporation- a corporation doidimais. doidimaiscorporation[arrouba]gmail[ponto]com

ARQUIVOS
Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Setembro 2004 / Outubro 2004 / Novembro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Julho 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Março 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Dezembro 2007 / Março 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Agosto 2008 / Março 2009 /


Powered by Blogger