<$BlogRSDURL$>
Doidimais Corporation
Pesquisa personalizada
segunda-feira, dezembro 12, 2005
 

A TALE OF TWO CITIES

Estereótipos não são um mal necessário. Eles são bons.

Estereótipos não são simples criações do pensamento dominante para escravizar nossas pobres mentes em formas de pensar incrivelmente limitadas. São uma estratégia inerente ao nosos intelecto para organizar a informação que nos é bombardeada pelos cinco sentidos de forma que possamos pensar adiante.

Se os estereótipos fossem tão ruins assim, porque todo o pensamento científico se baseia neles? Classificar é uma tarefa que não apenas nos acostumamos a realizar, mas simplesmente não poderíamos ter descido das árvores (ou saído das cavernas, ou sei-lá-onde fomos parar depois da expulsão do Jardim do Éden, conforme queira sua teoria da evolução) sem ela. Não se trata apenas de quente ou frio, presa ou predador. Estou falando de: polar ou apolar? Metal ou não-metal? Mamífero, peixe, ave, réptil, anfíbio, artrópode, bactéria, vírus?

Imagino o contra-argumento: tipos servem para objetos das ciências naturais, não para gente. Afinal, seres humanos são infinitamente complexos, bem como suas atividades.

Mas e os tais tipos ideais? Como ficaria a Sociologia sem eles? Quase toda a literatura em Relações Internacionais pode ser traçada diretamente a estereótipos - o estereótipo do Estado maximizador de segurança, o estereótipo do monopólio da volência legítima (e os Estados falidos?), o estereótipo do hegêmona, etc.

Será que dá para construir Literatura ou qualquer ficção sem arquétipos? Francamente, por mais que você tenha visto filmes que tenham tido um final "surpreendente": algum dos personagens é realmente one of its kind?

Você pode achar horrendo alguém falando na terceira pessoa usando os mais clichéticos adjetivos. Mas você consegue se imaginar descrevendo alguém sem recorrer a um único estereótipo? Um único tipo ideal, inda que uma criação da Lídia - pitboy, patricinha, nerd, everyman, geek, vampiro da Savassi, etc.?

Talvez a resposta esteja no fato de que nós não conseguimos entender nada sem tipos ideais, sem arquétipos. É difícil para nós apreender alguma coisa que não se encaixe em receptores de informação - é como se só pudéssemos entender quando o pedaço de informação é compatível com algo que já existe na nossa cabeça.

Isto é claro nunca elimina a hipótese de que os estereótipos sejam criativos. E não, nessa frase não cabe um "pasmem" ou "paradoxalmente" porque não há nada muito fora do óbvio:

estereótipos não são fenômenos da natureza per se. Um dia alguém criou o primeiro estereótipo. Por mais que sejam lapidados por ação inter-subjetiva (à boca pequena, tudo funciona como a Wikipedia), um dia alguém foi o primeiro. (e aqui dá vontade de falar um palavrão: poxa!)

Nada impede a criação de novos estereótipos.

Adicionalmente, os tipos não repelem a unicidade individual especial e única do indivíduo especial em seu modo de ser¹. Apenas nos fazem atentar para certas características. O que disto diferir, em vez de ser simplesmente cateogrizado de fora do rótulo ou esquisito, pode simplesmente realçar o quão, na verdade, o ser em questão é cool.

Cool - o quê, conforme nos ensina o terrível corruptor e membro da Lídia, Quentin Tarantino, está restrito a balas, espadas, palavrões, e óculos escuros.

***

Hoje, aniversário da minha cidade, parto por alguns dias para outra.

***

Sem tempo para postar mais três idéias. Fica para a próxima.

Em tempo: o Saudoso Professor Vetusto Douto foi citado em uma autêntica prova de Direito. Só pra informar.

Ah: O Natal... está chegando...
 

Peixes:
Comments: Postar um comentário
A corporação mais lucrativa, subversiva e informativa do planeta. Doidimais Corporation- expandindo pelo mundo para que você expanda o seu. Doidimais Corporation- ajudando você a ver o mundo com outros olhos: os seus. Doidimais Corporation- a corporation doidimais. doidimaiscorporation[arrouba]gmail[ponto]com

ARQUIVOS
Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Setembro 2004 / Outubro 2004 / Novembro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Julho 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Março 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Dezembro 2007 / Março 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Agosto 2008 / Março 2009 /


Powered by Blogger