<$BlogRSDURL$>
Doidimais Corporation
Pesquisa personalizada
sábado, fevereiro 28, 2004
 
O BEBEDOURO
- Frederico “Cedê” Silva
doidimaiscorporation@bol.com.br



O bebedouro é um marco da civilização. A História se divide em a.B e d.B - antes e depois do bebedouro. Com efeito, essa invenção não é apenas mais uma daquelas coisas bobas que são descritas simplesmente como uma “caixa que faz algo”. (estou falando daqueles velhos papos de que “o rádio é uma caixa que emite som”, “a televisão é uma caixa que emite imagem e som”, “a caixa de som é uma caixa por onde sai mais som”, “a caixa de leite é uma caixa que guarda leite” “ o caixote é muito parecido com uma caixa”, etc.) Não, não. Com efeito, o bebedouro nunca é descrito como uma caixa. Muitas vezes as pessoas falam dele como se fosse um lugar (ainda que nunca tenha sido), e sempre lembrarão, ao fazer essa descrição, duma agradável experiência envolvida em usar o bebedouro. Notem que isto não é comum nas outras invenções: as pessoas não costumam lembrar de seus programas favoritos ao serem perguntadas pela definição de televisão, nem comentarão sobre suas marcas favoritas ao serem interrogadas a respeito de caixas de leite.

Em verdade (essa expressão não é um tanto suspeita? Existe “em mentira”?), todo mundo já teve uma experiência agradável com um bebedouro, ainda que nem sempre traga tal experiência na forma duma história para contar. Matar a sede com um jato de água a uma temperatura agradável é sempre bom, esteja o dia quente ou frio, ensolarado ou chuvoso.

Existem vários tipos de bebedouro. Têm aqueles velhos, encardidos, com baixíssima pressão, que tornam tão ingrata a tarefa de beber que muitas vezes nem são usados - tão próxima deve ficar a boca da fonte de água. O Colégio Marista Dom Silvério está cheio destes. Têm também o oposto: bebedouros novíssimos de alta pressão recém-instalados em shoppings, aeroportos ou prédios residenciais, que mais de uma vez já me surpreenderam com um súbito jato molhado no olho.

Os bebedouros também podem ser classificados por outro critério, que é o dispositivo presente para ativação. Vêm em dois principais tipos: os com um botão redondo localizado logo acima da fonte; e os com uma pequena tampa retangular, mais leve e usável que o primeiro. Existe também a terceira via: falo daqueles mecanismos dos bebedouros de praça, uma alavanquinha que deve ser girada uns 90º. É possível que existam outros tipos, mas não sou familiar com eles.

Em minha infância, na fila formada ao bebedouro logo após o recreio (clássico!), já chamei e fui chamado de algo que só é dito ao redor dum bebedouro:

-Oh, caixa d´água!

Uma garota me disse ontem que, em seu intercâmbio na Bélgica, descobriu que as escolas lá – pasmem!!- não tem bebedouros. Pobres belgas!

Seria lugar-comum demais eu dizer, ao fim deste texto, que fiquei com sede. Seria muito Superinteressante. Mas que eu fiquei, fiquei.

(Esta sede, felizmente, não é saciável apenas com um bebedouro. Serve uma visita à cozinha, na qual usarei aquilo que gosto de chamar de frilto.)
 

Peixes:
A corporação mais lucrativa, subversiva e informativa do planeta. Doidimais Corporation- expandindo pelo mundo para que você expanda o seu. Doidimais Corporation- ajudando você a ver o mundo com outros olhos: os seus. Doidimais Corporation- a corporation doidimais. doidimaiscorporation[arrouba]gmail[ponto]com

ARQUIVOS
Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Setembro 2004 / Outubro 2004 / Novembro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Julho 2005 / Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Março 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Dezembro 2007 / Março 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Agosto 2008 / Março 2009 /


Powered by Blogger